Chuva deixa 500 residências e prédios danificados em Sagrada Família, no noroeste do Estado

A chuva registrada em boa parte do Rio Grande do Sul neste sábado (26) deixou estragos e desabrigados. A situação mais grave ocorreu em Sagrada Família, cidade da região noroeste, a 350 quilômetros de Porto Alegre: cerca de 500 residências e prédios das áreas urbana e rural ficaram danificados com os ventos e precipitações, conforme levantamento da Defesa Civil, na manhã deste domingo (27).

As equipes seguem na região desde o fim da tarde de sábado auxiliando os moradores. Até o momento, foram disponibilizados 2,4 mil metros quadrados de lona a fim de cobrir provisoriamente os locais afetados pelos estragos. A Defesa Civil estima que 1,9 mil pessoas foram afetadas e 16 estão desabrigados – a população local é de cerca de 2,6 mil habitantes. A maioria dos moradores, com as lonas, segue em suas próprias residências. Uma fábrica de jeans, considerado o principal negócio da cidade, ficou completamente destruída, com queda de paredes inteiras.

Conforme relato do prefeito de Sagrada Família, Marcos do Nascimento, boa parte da cidade está sem luz e internet. A RGE informou, no fim da manhã, que está totalmente mobilizada no atendimento ao município, com equipes de caminhão para manutenção de grande porte. A concessionária reforça que são cerca de 20 profissionais trabalhando para reconstruir a rede elétrica danificada e religar a energia de 570 clientes atingidos. Seis postes estão sendo substituídos e reinstalados. A previsão é que os trabalhos sejam encerrados até o fim do dia.

Na única unidade de saúde, foram atendidas mais de 10 pessoas com ferimentos leves, de acordo com o secretário de saúde da cidade, Mauro Galatto. A Defesa apurou uma pessoa internada em estado grave, que estava dentro de casa quando caiu uma parede por cima. Douglas Rafael Borth, 29 anos, teve traumatismo craniano e foi transferido para o Hospital de Caridade de Palmeira das Missões, cidade que fica a 45 quilômetros de Sagrada Família.

Por conta do prédio de saúde estar destelhado, os atendimentos neste domingo estão sendo feitos de forma provisória na ambulância.

— É surreal, um estado de guerra mesmo, de ver postes caídos, árvores arrancadas e casas completamente tiradas do lugar, literalmente. Dá uma comoção, ficamos até sem saber o que dizer — descreve Galatto.

Segundo a Defesa Civil, como o município não possui estação meteorológica, é difícil mensurar a possibilidade de qual fenômeno – além da chuva – teria causado os estragos. A probabilidade é de que a região foi afetada por fortes ventos.

Outros estragos

Em boletim divulgado às 11h30min, a Defesa Civil também informou que outras 165 pessoas foram afetadas pelo temporal. 100 delas são de Santa Maria, onde 23 residências foram destelhadas. Também foram registrados danos em arroios e obstrução de vias públicas.

Em Mata, próxima de Santa Maria, as fortes chuvas causaram o aumento do nível do Rio Poraíma, causando inundação em residências e áreas comerciais da cidade. A quantidade de desalojados deve ser divulgada nas próximas horas. Também foram registradas danificações em estradas da mesma região.

Em Alto Alegre, próxima de Cruz Alta, uma tempestade de granizo deixou 17 residências danificadas e 45 pessoas foram afetadas – porém, sem registro de desalojados, segundo a Defesa Civil. Em Santiago, também na região central, a enchente do Rio Rosário causou interrupção de estradas e quatro residências foram atingidas pelas precipitações, afetando 20 moradores.

Em Estrela, fios da rede elétrica caíram com a força dos ventos no bairro Imigrantes, e os bombeiros foram acionados para atendimento. Não houve feridos. Em virtude da alta quantidade de chuva e instabilidade, a Associação Amigos do Cristo cancelou as visitações ao Cristo Protetor de Encantado neste fim de semana.

Porto Alegre.

Na Capital, foram registradas ocorrências ao longo da madrugada em diferentes regiões. Ao todo, sete árvores caíram e precisaram do atendimento dos bombeiros (duas no bairro Petrópolis, e uma em São Sebastião, Lami, Restinga, Aberta dos Morros e Lomba do Pinheiro). Apenas uma delas seguia com acompanhamento – na Avenida Lageado (entre as avenidas Guaporé e Carlos Gomes) -, que precisava de corte na manhã deste domingo.

Os bombeiros também atenderam três riscos de deslizamento, com possível queda de muro, devido a alagamentos nos bairros Passo das Pedras, Tristeza e Coronel Aparício Borges.

No bairro Sarandi, a inundação de uma residência também precisou de auxílio da corporação. Na situação, uma senhora precisou ser desalojada por conta do alagamento, segundo o tenente Pires.

Não houve registro de quedas de poste.

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/geral/noticia/2021/06/chuva-deixa-500-residencias-e-predios-danificados-em-sagrada-familia-no-noroeste-do-estado-ckqf36z2y0000018mkx8ulvpi.html