O Varejo frente aos novos meios de pagamento

Desde que o Pix foi anunciado, ainda no início da pandemia, ficou evidente que a mudança estrutural trazida com o novo sistema de pagamentos instantâneo do Banco Central (BC) acarretaria rápidos benefícios aos usuários. Aumento da inclusão financeira, flexibilidade e disponibilidade imediata dos recursos, praticidade e velocidade nas transações, custos nulos para pessoas físicas e expressivamente menores do que os meios tradicionais (maquininhas, TED e DOC) para empresas são as principais vantagens.
 
Mas o Pix oferece outras possibilidades e oportunidades de negócio importantes para o setor terciário, especialmente ao varejo, tanto físico, quanto o e-commerce. Com as futuras funcionalidades, o Pix poderá ainda fazer das lojas pequenos agentes financeiros na economia.
 
O Pix faz parte de uma agenda estrutural e de competitividade que vem sendo exitosamente conduzida pelo BC, acelerada pela digitalização imposta pela crise sanitária, e que deve ser reconhecida pelas lideranças no país. A próxima etapa dessa agenda é o open banking, que vai promover a competição no sistema bancário e ainda mais benefícios ao varejo, como a possibilidade de monetização de dados dos consumidores, conforme discutimos recentemente em artigo publicado neste jornal digital.
 
As estatísticas iniciais de uso do Pix revelam a aceitação do sistema acima das expectativas em um curto intervalo de tempo.
 
O Pix passou oficialmente a ser utilizado em 16 de novembro de 2020, desde quando é possível cadastrar chaves de identificação. Ao final da primeira semana de funcionamento, de acordo com o Bacen, havia 34,5 milhões de chaves cadastradas de pessoas físicas, e 2,2 milhões de pessoas jurídicas. Em 16 de dezembro, quando o sistema completou 1 mês, houve incremento de mais de 220% nos cadastramentos de pessoas físicas, 111 milhões de chaves, totalizando 46,4 milhões de pessoas. Em relação às empresas, o crescimento do volume de cadastros foi de 132%, com 5,1 milhões de chaves e 3 milhões de usuários pessoas jurídicas.
 
A evolução do número de operações com o Pix reforça sua grande receptividade. Nos primeiros 7 dias foram realizadas 12,2 milhões de operações, enquanto no 1º mês houve 93 milhões de operações. O volume transacionado adicionalmente mostra a confiança que os agentes empregam no Pix: na primeira semana foram movimentados R$ 9,3 bilhões, enquanto no mês o valor acumulado alcançou 83,4 bilhões.
 
O Pix é um sistema novo, e, naturalmente, toda novidade tem seu tempo de amadurecimento, assim como aconteceu com o cheque, que não desapareceu, mas caiu em desuso com o surgimento da TED e DOC no passado.
 
Ainda de acordo com dados do BC, a taxa de rejeição nas transações com pagamentos via TED e DOC chega a 5%, enquanto a rejeição nas transações com o Pix utilizando uma chave cadastrada alcançou apenas 0,5% nas primeiras semanas de uso.
 
É muito caro fazer TED ou DOC no Brasil. Embora grande parte dos clientes bancários possam fazer de forma gratuita, a tarifa média do sistema financeiro para essas modalidades chega a R$12,00, o que engorda as receitas dos bancos. O uso do Pix e outros avanços avanço na agenda estrutural como o open banking vão acirrar a concorrência entre as instituições, o que certamente enxugará as receitas dos bancos nos próximos anos.
 
OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES
 
Há muitas vantagens iniciadas pelo Pix na transformação dos meios de pagamentos, que podem ser engrossadas por ganhos e eficiência nas rotinas do comércio. O Pix tem potencial para melhorar os fluxos de caixa das empresas e otimizar os estoques.
 
Imagine uma loja de varejo que tem e-commerce. Quando uma venda é efetuada e paga à vista, por meio de boleto bancário, por exemplo, o prazo para confirmação do pagamento é de até 3 dias úteis. Durante esses dias, a loja precisa segregar o estoque dos produtos adquiridos ainda sem o pagamento confirmado, retirando os itens da “prateleira”. Apenas após a confirmação ou não do pagamento, o lojista pode dar sequência à movimentação do estoque, dar baixa no caso de sucesso no pagamento, ou retornar com aqueles produtos para venda no caso do pagamento não confirmado.
 
Durante o tempo para confirmação do pagamento, a loja perde oportunidades de venda daqueles produtos que foram separados. A instantaneidade do pagamento via Pix elimina essa situação, pois com o pagamento confirmado em até 10 segundos, o lojista efetua a baixa do estoque com a receita confirmada no ato da operação on-line, além de melhorar a experiência do consumidor e agilizar o envio do produto. Ou seja, o sistema tem potencial de tornar mais eficiente o controle e a rotatividade dos estoques, a logística de entrega, otimizando não apenas o fluxo de caixa operacional, mas potencializar a geração de receitas de vendas.
 
CONTROLE DA INADIMPLÊNCIA
 
Outra vantagem do Pix ao varejo é o maior controle da inadimplência e a facilitação da cobrança de contas atrasadas. O Pix elimina a necessidade de emissão de novo boleto, o cliente poderá quitar um débito de forma instantânea e remota, não sendo necessário aguardar compensação do boleto ou recebimento dos valores via cartão de crédito. É um diferencial para grandes redes varejistas.
 
Nas lojas físicas, o pagamento via Pix por smartfones ajuda a reduzir o uso do dinheiro, filas e aglomerações, o que em tempos de pandemia é essencial para evitar a disseminação do coronavírus.
 
Esses são apenas alguns exemplos das funcionalidades do Pix às empresas do varejo. A expectativa é de grande difusão nos próximos meses especialmente entre as pessoas jurídicas, já que o custo de operar o sistema tende a ser significativamente menor do que os outros meios. O BC já anunciou que deve cobrar das instituições cerca de R$ 0,01 a cada 10 operações Pix efetuadas. Esse custo será repassado pelos bancos às empresas.
 
SAQUES NOS CAIXAS DAS LOJAS
 
O BC também já divulgou outras funcionalidades importantes que serão implementadas nos próximos anos. Uma delas é a possibilidade de saques via Pix, o que tornará o Sistema ainda mais atraente. Com essa modalidade, o pequeno lojista poderá atuar ainda como um agente financeiro, possibilitando saques em papel moeda nas lojas físicas, e ampliando a inclusão financeira no país.
 
Em suma, toda conveniência do Pix não se restringe apenas à evolução tecnológica com vantagens aos agentes usuários, mas se trata de uma das etapas da transformação estrutural na economia, a qual seguirá no caminho com o open banking. Além dos custos de serviços mais baixos provocados pela ampliação da competição interbancária, uma grande massa de dados de consumidores poderá ser aproveitada pelos estabelecimentos do comércio e serviços com a abertura bancária, o que vai elevar a capacidade produtivas das empresas e a importância do setor terciário na economia.
 
Neste momento, o varejo cumpre um papel primordial no incentivo à utilização do Pix e na inclusão financeira e digital dos consumidores, o que faz do setor um dos principais atores na nova era dos meios de pagamento.
Fonte: https://www.poder360.com.br/opiniao/economia/o-papel-do-varejo-na-nova-era-dos-meios-de-pagamento-escreve-freitas-gomes/